SERMÃO DA CELEBRAÇÃO LITÚRGICA DE 26 DE JULHO DE 2020

Mais
1 semana 1 dia atrás #885 por Henry Mompean Orleans-Grimaldi (jonfonpa)
Palavras de Abertura

Amada congregação,
louvemos e engraçamos ao nome do Senhor pela oportunidade de estarmos reunidos em culto.

Convido a todos para louvarmos ao Senhor com o hino Pão Celestial.


Louvor

Louvai, louvai Cristo, o bom Mestre divino!
Por nós na cruz ele sofreu, morreu;
Perdão, perdão hoje aos contritos outorga,
Pois precioso sangue na cruz verteu.
Sim, louvai-o! Ei-lo tão exaltado,
Mediador que nunca nos faltará.

Louvai, louvai e proclamai a grandeza
Do perdão, da graça que a todos dá.

Louvai, louvai Cristo, o bom Mestre divino!
Conselhos bons dá ele ao pecador;
Anunciai as bênçãos maravilhosas
Concedidas por nosso Salvador.
Ide todos, servos de Jesus Cristo,
E ele nunca vos abandonará.

Louvai, louvai Cristo, o bom Mestre divino!
Cantai, cantai, seu grande amor cantai;
Fiéis, cantai de coração, bem unidos,
Seu poder e glória louvai, louvai!
Qual pastor que cuida do seu rebanho,
Cristo, assim, os crentes protegerá.


Pregação





Sermão do dia: O favor imerecido


Meditemos hoje no evangelho de Lucas, em seu capítulo de número 23 e versículos 42 e 43:


“E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso."


Amada congregação,

Cristo foi a maior dádiva dada por Deus a humanidade, ao nos depararmos com João 3.16, ao lermos a respeito do amor de Deus e da dimensão do sacrifício vicário de Cristo, constrangemo-nos diante deste amor e para nossa lógica humana ele pode não fazer sentido. Contudo, o que mais nos confunde quanto a manifestação do amor de Deus por nós reside no simples fato de que nunca seremos merecedores dele ou de qualquer benção de Deus para nós.

Talvez nenhuma passagem demonstre de forma mais clara o conceito da graça do que o episódio da crucificação, quando Cristo, a poucos instante da consumação de seu sacrifício, crucificado entre dois ladrões, um cético e obstinado e o outro arrependido, escuta o pedido do segundo e de maneira simples e direta, sem condições, sem desafios, lhe garante que ele estaria no céu naquele mesmo dia. Numa óptica humana isto é injusto, aquele era um homem pecado, um criminoso violento, digno de sua pena, julgado e condenado, fosse por nós ele nunca alçaria a salvação. Jesus, no entanto, demonstra ali uma verdade simples: não importa o quão bons nos achemos, a salvação é somente pela graça, nunca seremos dignos e merecedores dela.

Todo ser humano nasce em sua condição pecadora, por sua própria natureza só sabe pecar e pensar em pecar, sua natureza tende a perversão e a corrupção, e mesmo aquilo que ele julga ser virtude e bem é distorcido pelo que é chamado "depravação total". Entendendo isto, podemos melhor vislumbrar, retomando a narrativa bíblica referente a crucificação, que aquele ladrão na cruz não era menos digno de salvação do que um crente que frequenta todas as semanas a igreja, lê a Bíblia e ora, os dois são pecadores, por merecimento os dois são dignos do inferno.

O conceito de graça nos é estranho, dificilmente o homem realiza algo sem um interesse, sem desejar um dia receber um favor em troca. Deus não se relaciona assim conosco desta forma, não barganhamos com Ele pois não podemos lhe dar nada que já não lhe pertença, Ele é criador e senhor sobre todas as coisas. Equivoca-se quem pensa que ser bom lhe dá "crédito" com Deus, devemos ser bons por temor e amor a Deus, não com a ilusão de barganhar com nossas boas obras.

Há quem escute sobre a graça e diga que é muito fácil, que aquele ladrão não teve que se esforçar, que não foi santificado. Perdoe-me se você acredita nisso, mas sou forçado a lhe dizer: seu esforço nunca o levará a uma santificação, sendo carne você sempre será falho, quem santifica é Deus pela ação do seu Espírito Santo. Aquele ladrão fez o que todo genuinamente salvo faz, reconheceu que era pecador, que precisava da misericórdia de Deus. Talvez possa lhe parecer fácil, mas aos olhos de Deus todos os que alcançam a salvação o fazem do mesmo modo, ninguém merece mais por ser super-santo.

É tempo entendermos: pela graça somos salvos, como está escrito em Efésios 2.8, não é nosso esforço ou qualidade que nos garante a salvação, mas a graça de Deus. Não sejamos pois juízes, arbitrando quem, em nossa falha opinião, pode ou não ser digno da salvação, mas pregadores da salvação. Não importam quais foram seus pecados, se a Palavra de Deus tocou o seu coração e você está disposto a reconhecer verdadeiramente Jesus como seu único e verdadeiro salvador, Ele é poderoso para te perdoar e garantir a vida eterna com Ele.

Amém.

Oração

Deus de misericórdia, Pai eterno. Quão pouco conseguimos compreender do teu amor e misericórdia por nossas vidas. Quão falhos e pequenos somos. Ajuda-nos a viver em gratidão pelo teu amor. Que a tua Palavra possa produzir frutos em nós, para que não busquemos alguma virtude esperando barganhar contigo, mas que a genuína salvação produza frutos dignos de louvor ao teu nome. É o que pedimos e desde já lhe agradecemos. Amém.

Henry Mompean D’Orléans et Valois
Príncipe da França
Duque de Soissons
Conde de Mompean
Barão de Lille
Embaixador Francês
Comandante da Guarda Real Francesa
Secretário do Ministério da Relações Exteriores
Senador Real
Prefeito de Lille

Chanceler Oficial da Ordem da Mão de Ferro
Cavaleiro da S. Ordem Imperador Carlos Magno – S.O.I.C.M.
Medalha do Mérito da S. O. Militar Joana D´Arq – S.O.M.J.A.


Súdito da Coroa Francesa

Os seguintes usuários agradeceram: Ivysson Januzzi Logos (Ivysson)

Por favor Acessar ou Registrar para participar da conversa.

Tempo para a criação da página:0.347 segundos
Não somos membros de qualquer nação real ou movimento separatista.
Este WEB Site destina-se única e exclusivamente aos praticantes do hobbie chamado micronacionalismo.
Todos os direitos de imagem e nome reservados a nação italiana real.